facebookPixel

Aviso: Se está a ler esta mensagem, provavelmente, o browser que utiliza não é compatível com os "standards" recomendados pela W3C. Sugerimos vivamente que actualize o seu browser para ter uma melhor experiência de utilização deste "website". Mais informações em webstandards.org.

Warning: If you are reading this message, probably, your browser is not compliant with the standards recommended by the W3C. We suggest that you upgrade your browser to enjoy a better user experience of this website. More informations on webstandards.org.

Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG)

Notícias

Publicar Publicado em: 06-11-2012

LANÇAMENTO EM CD DA ÓPERA "LA SPINALBA" | pelos Músidos do Tejo, editado pela Naxus

O mercado internacional de música vai descobrir, pela primeira vez, em edição discográfica lançada pela Naxos, uma obra fundamental do reportório barroco português, La Spinalba, de Francisco António de Almeida (1702-1755). O projecto é dos Músicos do Tejo, grupo dirigido por Marcos Magalhães e Marta Araújo, que se lançaram na aventura de gravar esta ópera,  em versão integral, o que nunca antes tinha sido feito. La Spinalba, talvez a mais importante peça da produção portuguesa da época (estreada em 1739), não tinha ainda uma gravação à altura e completa da obra. O triplo CD, que começou a ser distribuído a nível mundial desde o dia 1 de Novembro e já está disponível no circuito comercial, tem o seu lançamento oficial marcado para o próximo dia 23, no CCB.

Depois da apresentação desta ópera no CCB (em 2008 e 2009), da digressão com concertos em Portugal e de uma saída para Espanha, a editora Naxos quis lançar a obra em disco, com o grupo de intérpretes portugueses. La Spinalba foi assim registada, pela primeira vez, numa interpretação historicamente informada que conta com um elenco de cantores portugueses que são já uma referência e da orquestra dirigida por Marcos Magalhães.
La Spinalba, ou o velho doido, ópera cómica cantada em italiano, foi estreada em 1739, em Lisboa, nos Paços da Ribeira. É considerada a ópera mais importante do barroco português e talvez uma das mais antigas que nos chegou. Foi apresentada pelos Músicos do Tejo, no CCB, em Fevereiro de 2008, tendo o êxito do espectáculo feito com que fosse reposto um ano depois, sempre com aplauso do público e críticas entusiásticas, tanto pela encenação como pela qualidade da interpretação dos cantores e orquestra.
A seguir a «Sementes do Fado» e de «As Árias de Luísa Todi», La Spinalba é o terceiro disco dos Músicos do Tejo, grupo que vê afirmada a sua projecção nacional e internacional com este trabalho. Este é mais um passo na descoberta a fazer de um património musical português que colhe o maior entusiasmo do público e da critica estrangeira. Com efeito, depois de diversas apresentações dos anteriores trabalhos dos Músicos do Tejo, a gravação da La Sipnalba já mereceu referência na revista Gramophone e está a ser apresentada a diversos programadores internacionais e festivais da especialidade.
Os Músicos do Tejo continuam neste projecto o seu objectivo de abordar as diferentes vertentes da música em Portugal nos séculos XVII e XVIII, não só dos autores portugueses, mas também dos que nessa altura se tocavam ou de alguma forma se relacionavam com o meio cultural da época. Este agrupamento vem reforçar a maturidade que o movimento da música antiga atingiu no nosso país, tentando pesquisar historicamente as formas de interpretação, bem com a utilização de instrumento de época, mas ao mesmo tempo desenvolver um trabalho livre de fórmulas já experimentadas e procurar apresentar assim reportórios que deviam ser mais conhecidos, através de formatos inovadores.
O novo CD do agrupamento teve o apoio do Governo de Portugal - Direcção Geral das Artes, ISEG - Instituto Superior de Economia e Gestão e da Câmara Municipal de Lisboa. Um conhecido especialista nesta área, Pierre Lavoix, que durante muitos anos foi responsável por está área musical na prestigiada editora Erato, aceitou o desafio de produzir o som da nova gravação.
La Spinalba, no âmbito do seu lançamento, vai ser objecto de uma sessão de apresentação no CCB, dia 23 de Novembro às 18h00, estando já previstos outros contactos com o público, melómano e não só, Estas conversas sobre o compositor F. A de Almeida e esta sua obra maior pretendem também levar a novos públicos a riqueza da produção musical barroca portuguesa, manancial que se começa a explorar na sua verdadeira dimensão e a merecer uma atenção que não teve até agora.

La Spinalba, de Francisco António de Almeida

Spinalba: Ana Quintans
Togno: João Fernandes
Arsenio: Luís Rodrigues
Vespina: Joana Seara
Dianora: Cátia Moreso
Elisa: Inês Madeira
Ippolito: Fernando Guimarães
Leandro: Mário Alves

Direcção musical: Marcos Magalhães

"Os Músicos do Tejo"
Violino-concertino: Alexis Aguado
Violinos: Matilde Pais, Raquel Cravino, Denys Stetsenko, Nuno Mendes, Maria Bonina, Zofia Pajak, Gabriel Hernandez
Violas: Miriam Macaia, Lúcio Studer
Violoncelos: Ana Raquel Pinheiro, Marco Testori alternado com Paulo Gaio Lima
Contrabaixo: Clotilde Guyon
Fagote: Carolino Carreira
Oboés: Luís Marques, Ricardo Lopes
Trompas: Paulo Guerreiro, Tracy Nabais
Cravo (orquestra): Marta Araújo
Cravo ( recitativos): Marcos Magalhães

Director artístico: Pierre Lavoix
Técnico de som: Jean Gauthier
Direcção de produção: Marta Araújo

Apoios:
Governo de Portugal - Direcção Geral das Artes | ISEG - Instituto Superior de Economia e Gestão | Câmara Municipal de Lisboa
em anexo: capa do disco e fotografia de Os Músicos do Tejo (foto de Jorge Amaral)

https://www.youtube.com/watch?v=hYb6XwoyLck

http://www.naxos.com/catalogue/item.asp?item_code=8.660319-21

http://www.fnac.pt/Francisco-Antonio-de-Almeida-Almeida-La-Spinalba-3CD-sem-especificar/a645568?PID=6&Mn=-1&Mu=-13&Ra=-29&To=0&Nu=1&Fr=3

http://www.amazon.com/Spinalba-Ovvero-Il-Vecchio-Matto/dp/B009F2CWWI/ref=sr_1_1?ie=UTF8&qid=1352126319&sr=8-1&keywords=spinalba